Obras del canto y la trova española y latinoamericana… ÁGUAS DE MARÇO

Publicado el 21 febrero 2011 por Federico Michell Zavala

Título

Águas de março (Aguas de marzo, en español).

Género

Bossa nova.

Autoría

Lírica y música de Antônio Carlos Jobim (Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim) músico, compositor, cantante, pianista y guitarrista brasileño nacido el 25 de enero de 1927 en Río de Janeiro, Brasil, muerto el 8 de diciembre de 1994 en Nueva York, Estados Unidos de América, propulsor de la bossa nova considerado una de los más grandes representantes de la música contemporánea de su país.Antonio Carlos Jobim

Su obra “Águas de março” fue seleccionada como la mejor canción brasileña de todos los tiempos por una encuesta realizada el año 2001 a más de doscientas personalidades vinculadas al mundo de la música por el periódico Folha de São Paulo.

Interpretación original

Antonio Carlos Jobim, canto.

Publicación original

Sencillo de 45 rpm “O tom de Antonio Carlos Jobim e o tal de Joao Bosco”, lado A, Zen, Brasil, 1972.

Letra

ÁGUAS DE MARÇO

“É pau, é pedra,
é o fim do caminho,
é um resto de toco,
é um pouco sozinho.

É um caco de vidro,
é a vida, é o sol,
é a noite, é a morte,
é o laço, é o anzol.

É peroba do campo,
é o nó da madeira,
caingá candeia,
é o matita-pereira.

É madeira de vento,
tombo da ribanceira,
é o mistério profundo,
é o queira ou não queira.

É o vento ventando,
é o fim da ladeira,
é a viga, é o vão,
festa da cumeeira.

É a chuva chovendo,
é conversa ribeira
das águas de março,
é o fim da canseira.

É o pé, é o chão,
é a marcha estradeira,
passarinho na mão,
pedra de atiradeira.

É uma ave no céu,
é uma ave no chão
É um regato, é uma fonte,
é um pedaço de pão

É o fundo do poço,
é o fim do caminho,
no rosto o desgosto,
é um pouco sozinho.

É um estrepe, é um prego,
é uma ponta, é um ponto,
é um pingo pingando,
é uma conta, é um conto.

É um peixe, é um gesto,
é uma prata brilhando,
é a luz da manhã,
é o tijolo chegando.

É a lenha, é o dia,
é o fim da picada,
é a garrafa de cana,
o estilhaço na estrada.

É o projeto da casa,
é o corpo na cama,
é o carro enguiçado,
é a lama, é a lama.

É um passo, é uma ponte,
é um sapo, é uma rã,
é um resto de mato
na luz da manhã.

São as águas de março
fechando o verão,
é a promessa de vida
no teu coração.

É uma cobra, é um pau,
é João, é José,
é um espinho na mão,
é um corte no pé.

São as águas de março
fechando o verão.
é a promessa de vida
no teu coração.

É pau, é pedra,
é o fim do caminho,
é um resto de toco,
é um pouco sozinho.

É um passo, é uma ponte,
é um sapo, é uma rã,
é um belo horizonte,
é uma febre terçã.

São as águas de março
fechando o verão,
é a promessa de vida
no teu coração.

[Texto transcrito directo del audio de la versión original]

Traducción al español

AGUAS DE MARZO

Es palo, es piedra,
es el fin del camino,
es un resto de tronco,
es un poquito solitario.

Es un casco de vidrio,
es la vida, es el sol,
es la noche, es la muerte,
es un lazo, un anzuelo.

Es árbol del campo,
es el nudo de la madera,
caingá, candela,
es matita pereira.

Es madera del viento,
alud en el despeñadero,
es misterio profundo,
es el quiera o no quiera.

Es el viento venteando,
es el fin de la ladera,
es la viga, es el vano,
fiesta del tijeral.

Es la lluvia lloviendo,
es la voz de la ribera
de las aguas de marzo,
es el fin del cansancio.

Es el pie, es el suelo,
es marcha caminera,
pajarito en la mano,
piedra de la tiradora.

Es un ave en el cielo,
es un ave en el suelo,
es un arroyo, es una fuente,
es un pedazo de pan.

Es el fondo del pozo,
es el fin del camino
en el rostro el disgusto,
es un poquito solo.

Es un tarugo, es un clavo,
es una punta, es un punto,
es una gota goteando
es una cuenta, es un cuento.

Es un pez, es un gesto,
es la plata brillando,
es luz de la mañana,
es un ladrillo llegando.

Es la leña, es el día,
es el fin de la huella,
es la botella de ron,
el reventón caminero.

Es el proyecto de casa,
es el cuerpo en la cama,
es el coche atascado,
es el barro, es el barro.

Es un paso, es un puente,
es un sapo, es una rana,
es un resto de campo
en la luz de la mañana.

Son las aguas de marzo
cerrando el verano,
es la promesa de vida
en tu corazón.

Es palo, es piedra,
es el fin del camino
Es un resto de tronco,
está un poquito solo

Es una culebra, es un palo,
es Juan, es José,
es un espino en la mano,
es un corte en el pie.

Son la aguas de marzo
cerrando el verano,
es la promesa de vida
en tu corazón.

Es palo, es piedra,
es el fin del camino,
es un resto de tronco,
es un poquito solitario.

Es un paso, es un puente,
es un sapo, es una rana,
es un bello horizonte,
es una fiebre terciana.

Son las aguas de marzo
cerrando el verano,
La promesa de vida
en tu corazón.

Audio video

En You Tube (Versión de Elis Regina y Antonio Carlos Jobim, de 1974)

En You Tube (Versión de Elis Regina, en vivo, en 1979)

El Crucero, Managua, Nicaragua, lunes 21 de febrero de 2011.

Detalles de la entrada

Comentar

Su correo electrónico no será publicado.Los campos con * son obligatorios

*